Base Cartográfica Contínua do Brasil 1:250.000

A Base Cartográfica Contínua do Brasil na escala 1:250000 (BC250) é um conjunto de dados geoespaciais de referência, estruturados em bases de dados digitais, permitindo uma visão integrada do território nacional nesta escala. Foi gerada a partir da integração das folhas do mapeamento sistemático brasileiro, na escala de 1:250000, incluindo os dados oriundos do projeto SIVAM. Este mapeamento foi atualizado e complementado em regiões de vazio cartográfico e naquelas previamente definidas pela defasagem de informações. O IBGE desenvolveu a produção dessa base de abrangência nacional, através do projeto SIGBRASIL com a contratação de empresas especializadas na área de cartografia.

A BC250, encontra-se estruturada em 7 (sete) categorias de informação:Hidrografia, Localidades, Limites, Sistema de Transportes, Estrutura Econômica, Energia e Comunicações, Abastecimento deÁgua e Saneamento Básico, conforme a Especificação Técnica para a Estruturação de Dados Geoespaciais Vetoriais (ET-EDGV). Cada categoria está divida em classes de elementos, correspondentes aos elementos geográficos que representam o território nacional nessa escala. Cada classe de elementos possui atributos geométricos e semânticos associados a banco de dados permitindo consultas espaciais e semânticas. A BC250 compõe a Infraestrutura Nacional de Dados Geoespaciais do Brasil (INDE) e representa a escala de maior detalhamento com a cobertura de todo o território nacional.

Fonte: http://dados.gov.br/dataset/ccar_bc250_municipio_a

Visualizador: http://www.visualizador.inde.gov.br/


DOWNLOADS (shapefile / zip)

Abastecimento / Saneamento (2017)

Energia / Comunicação (2017)

Estrutura Econômica (2017)

Hidrografia (2017)

Indicação Geográfica (2017)

Limites (2017)

Localidades (2017)

Relevo (2017)

Transporte (2017)


DOWNLOADS (POSTGIS)

Base cartográfica 250.000 (12/12/2017)


DOWNLOADS (Geopackage)

Base cartográfica 1:250.000 (16/02/2018)


OUTROS DOWNLOADS

LISTA DE NOMES GEOGRÁFICOS: pdf / csv

DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA: Termo de Uso (.pdf) / Doc. Técnica (.pdf)

Logística de Energia 2015 – IBGE

“Neste estudo, busca-se abordar, de maneira integrada, dois grandes eixos da produção e distribuição de energia no País: de um lado os combustíveis, como os derivados de petróleo, os biocombustíveis e o gás e, de outro, a energia elétrica em seus diversos métodos de produção, enfatizando o papel do território e o da organização espacial envolvida.” (IBGE, 2016)

“O objetivo do presente estudo é apresentar, descrever e analisar os padrões espaciais da logística da energia no Brasil, com ênfase na compreensão do território, por meio da análise geográfica das estruturas que compõem a geração, a circulação e a distribuição dos insumos energéticos. Entende-se que os sistemas de energia no País fazem parte de um complexo sistema logístico territorial mais amplo, no qual o Estado, além de ser o provedor da infraestrutura, procura reconfigurar o território mediante uma macrologística que engloba as estratégias espaciais particulares do setor privado, conduzindo a um processo de ordenamento com vistas ao desenvolvimento nacional.

A publicação traz Notas técnicas, com informações sobre as bases de dados utilizadas e os procedimentos operacionais adotados na elaboração do presente estudo, entre outras considerações de natureza metodológica, e análises estruturadas em duas grandes seções: a primeira voltada ao petróleo, gás e biocombustíveis, contemplando aspectos de produção, transporte, armazenamento, distribuição, revenda e consumo; e a segunda com foco na geração e transmissão de energia elétrica. O volume é acompanhado de um mapa-mural sintético, integrando ambos os tipos de infraestrutura” (IBGE, 2016)

Link do Livro: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv97260.pdf

Link do Mapa: ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/redes_e_fluxos_geograficos/logistica_de_energia/mapa_LogEnergia2015_5mi.pdf

Link dos Dados: http://www.ibge.com.br/home/geociencias/geografia/redes_fluxos/logistica_de_energia_2015/base.shtm

Logística de energia : 2015 / IBGE, Coordenação de Geografia. – Rio de Janeiro : IBGE, 2016. 102p.
Acima do título: Redes e fluxos do território.
Inclui bibliografia.
ISBN 978-85-240-4382-6

Noções Básicas de Cartografia – IBGE

liv8595_v1O IBGE disponibiliza para download a publicação Noções básicas de cartografia (1999), da série de manuais técnicos em geociências da instituição. Esta publicação trata aborda noções relacionadas à cartografia, incluindo a apresentação de questões relacionadas à forma do planeta, levantamentos geodésicos, representação cartográfica, tipos de projeções, classificação das carta e mapas, noções de sensoriamento remoto, além dos procedimentos envolvidos na concepção, produção e interpretação do processo cartográfico. Os links para download seguem abaixo:

VOLUME 1

VOLUME 2 – CADERNO DE EXERCÍCIOS

Malha Municipal Atualizada 2013

Os Estados do Mato Grosso do Sul, Pará, Rio Grande do Sul e Santa Catarina receberam atualizações em suas respectivas malhas municipais e setores censitários. Os resultados podem ser acessados diretamente a seguir:

MATO GROSSO DO SUL

PARÁ

RIO GRANDE DO SUL

SANTA CATARINA

(Fonte: IBGE, Malhas Digitais)

Modelos Digitais de Elevação 1:25.000 / IBGE

O IBGE disponibiliza para download os Modelos Digitais de Elevação de Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo, Minas Gerais e Goiás., em escala 1:25.000.

O Modelo Digital de Elevação é geralmente definido como um modelo numérico das características altimétricas da superfície, podendo conter elevação de elementos com altura significativa, tais como cobertura florestal ou um conjunto de edifícios. Nesse caso difere do
Modelo Digital de Terreno (MDT) que representa a superfície topográfica, ou seja, o terreno. Os MDE’s servem para determinar a superfície matemática, e a partir deles se podem conhecer aspectos tais como altura, declividade, perfis transversais, volumes,  desníveis, áreas sujeitas a inundação e bacias hidrográficas.

Para o registro preciso de redes de drenagem e linhas de divisores de água, faz-se necessária a interpretação estereoscópica ou outras tecnologias como LIDAR e INSAR. A partir de 2001 o IBGE investiu na capacidade de processamento em fotogrametria digital, com a aquisição do software SOCET-SET da empresa BAE-SYSTEM. Nesse pacote foi adquirido também o módulo de extração automática de MDE denominado ATE – Automatic Terrain Extraction. Esse módulo permite a extração altimétrica por correlação de imagens utilizando o algoritmo DLT – Direct Linear Transformation. O MDE foi gerado com espaçamento de grade de 20 x 20 metros. Todos os modelos são disponibilizados nos formatos ASCII e também nos formatos GEOTIFF.

Como o processo de geração foi automático, podem existir anomalias nos modelos ocasionadas por limitações práticas de correlação, por exemplo, áreas de sombra. Essas anomalias normalmente são representadas por desníveis, tabuleiros de forma triangular e padrões de valores que não correspondem com o terreno. Mesmo quando as anomalias estiverem dentro das tolerâncias para erros verticais, é recomendável a edição para reduzi-los ou eliminá-los. (Fonte: Metadados MDE RJ25, IBGE)

Todos os produtos podem ser acessados através do link principal do projeto ftp://geoftp.ibge.gov.br/modelo_digital_de_elevacao/

Nas subpastas podem ser encontradas informações sobre os metadados, processos de geração, além do índice de cartas disponíveis, conforme exemplo a seguir para o Rio da Janeiro.

folhas_RJ25_ disponibilizadas_e_sigilosas