Geodiversidade do Estado do Espírito Santo

Um grave problema na faixa litorânea do Estado do Espírito Santo é a alta suscetibilidade à erosão costeira. O estado é no Brasil, talvez aquele que mais intervenções sofreu em sua linha de costa compreendendo obras de proteção e construção de portos (DOMINGUEZ, 2010). A ocupação urbana próxima às praias em áreas sujeitas à dinâmica das ondas, onde a movimentação marítima e as correntes de maré realizam o processo de remoção e reposição de areia, expõem a população e a infra-estrutura urbana aos riscos decorrentes da dinâmica costeira.

Os principais fenômenos relacionados a desastres naturais no Brasil são os deslizamentos de encostas e as inundações, que estão associados a eventos pluviométricos intensos e prolongados, repetindo-se a cada período chuvoso mais severo. Apesar das inundações serem os processos que produzem as maiores perdas econômicas e os impactos mais significativos na saúde pública, são os deslizamentos que geram o maior número de vítimas fatais. Este fato justifica a concepção e implantação de políticas públicas municipais específicas para a gestão de risco de deslizamentos em encostas (CARVALHO & GALVÃO, 2006).

Os deslizamentos em encostas e morros urbanos vêm ocorrendo com uma freqüência alarmante nestes últimos anos, devido ao crescimento desordenado das cidades, com a ocupação de novas áreas de risco, principalmente pela população mais carente

Fonte: CPRM, 2014

Downloads:
Mapa: http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/14693/geodiversidade_espirito_santo.pdf
Livro: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/bitstream/doc/15426/1/Geodiversidade_ES.pdf
SIG: http://gd.cprm.gov.br/mapas_geodiversidade/gdes_lito.zip
Informações ao Usuário: http://www.cprm.gov.br/publique/media/geodiversidade/mapas_estaduais/InformacoesUsuario_ES.pdf

Fonte: Geodiversidade do estado do Espírito Santo / Organização Sandra Fernandes da Silva [e] Marcely Ferreira Machado. – Belo Horizonte CPRM, 2014.

Geodiversidade do Estado do Ceará

O estado do Ceará ocupa um território de aproximadamente 146.000 km2 , dos quais cerca de 74% (108.000 km2) têm seu subsolo constituído de rochas ígneas e metamórficas, genericamente chamadas de cristalinas. Esse domínio geológico, de um modo geral, corresponde a toda a porção central do estado e é bordejado, em sua maior parte, por rochas sedimentares que formam as bacias do Araripe (sul), Parnaíba (oeste) e Apodi (leste), além dos sedimentos da faixa costeira (norte). A diversidade litológica e estrutural reflete-se no desenvolvimento das formas de relevo, na disponibilidade de recursos hídricos superficiais e subterrâneos, na potencialidade de recursos minerais, bem como na variedade de solos existente no território cearense.

O relevo do estado tem predominância muito significativa de terras situadas abaixo do nível de 200 metros, com prevalência de superfícies aplainadas a suavemente onduladas. Os compartimentos serranos (maciços residuais cristalinos e planaltos sedimentares) acima de 700 metros têm extensões restritas. No litoral, além dos campos de dunas modelados em sedimentos atuais, os depósitos mais antigos (sedimentos do Grupo Barreiras) são entalhados incipientemente pela drenagem superficial, isolando interflúvios tabulares que representam os tabuleiros costeiros (SOUZA, 2000).

Fonte: CPRM, 2014

O clima regional, apesar da evidente predominância do semiárido (cerca de 92% do território cearense), marcado por prolongados períodos de estiagem, apresenta variações. As áreas úmidas circunscrevem os topos e vertentes de barlavento dos maciços cristalinos e dos planaltos sedimentares. As áreas subúmidas, com totais pluviométricos pouco superiores a 900 mm anuais, abrangem o litoral e asseguram um teor de umidade que se prolonga por 6-7 meses durante o ano. A semiaridez propriamente dita, com déficits hídricos na maior parte do ano, apresenta um caráter mais acentuado nas depressões interiores, como nas regiões dos Inhamuns, de Irauçuba e do Médio-Jaguaribe, configuradas como núcleos de desertificação. Atenua-se nos pés-de- -serra, nos baixos maciços e nos sertões mais próximos do litoral. De modo genérico, as chuvas são de verão-outono INTRODUÇÃO e as médias térmicas superiores a 24oC, caracterizando um clima quente ou megatérmico (SOUZA, 2000). Os recursos hídricos superficiais e subterrâneos dependem dos fatores geológicos, geomorfológicos e climáticos.

O regime hidrológico do estado do Ceará é caracterizado pela marcante intermitência dos seus cursos d’água, que normalmente escoam nos períodos chuvosos e secam nos períodos de estiagem. No domínio das rochas cristalinas as águas subterrâneas acumulam-se em fraturas das rochas, constituindo aquíferos de baixa produtividade, em que a qualidade hídrica muitas vezes é comprometida pela elevada concentração de sais. Já nas áreas sedimentares, destaca-se a maior potencialidade de recursos hídricos subterrâneos, representados pelas formações aquíferas das bacias sedimentares do Araripe, Parnaíba e Apodi, além de pequenas bacias sedimentares interiores (bacias de Iguatu, Malhada Vermelha, Lima Campos e Lavras da Mangabeira) e os sedimentos das formações cenozoicas representados por depósitos aluvionares, depósitos litorâneos, dunas, Grupo Barreiras e coberturas detríticas.

Downloads:
Mapa: http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/14692/Geodiv-Ceara.pdf
Livro: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/bitstream/doc/16726/1/Geodiversidade_CE.pdf
SIG: http://gd.cprm.gov.br/mapas_geodiversidade/gdce_lito.zip
Informações ao Usuário: http://www.cprm.gov.br/publique/media/geodiversidade/mapas_estaduais/InformacoesUsuario_CE.pdf

Fonte: Geodiversidade do estado do Ceará / Organização Ricardo de Lima Brandão [e] Luís Carlos Bastos Freitas – Fortaleza : CPRM, 2014.

Geodiversidade do Estado do Amapá

O Contexto Geológico e as Áreas de Relevante Interesse Mineral

Lima et al. (1991) identificam, no estado do Amapá, 5 unidades morfoestruturais bem definidas e denominadas de Planície Costeira, Planalto da Bacia do Amazonas, Planalto Rebaixado da Amazônia, Planalto Dissecado Jari-Araguari e Planalto Dissecado do Norte do Amapá e afirmam existir uma correspondência com as unidades geotectônicas definidas no estado. Segundo esses autores a Planície Costeira corresponde à faixa de ocorrência de sedimentos quaternários, de ambiência fluvial, flúvio-lacustre e flúvio-marinha; o Planalto Rebaixado da Amazônia como uma extensa faixa de platôs é constituída pelos sedimentos continentais dos Grupos Barreiras e Alter do Chão, este último tendo uma grande importância econômica pelos seus depósitos de caulim e bauxita. As zonas serranas do domínio Tumucumaque-Iratapuru são integrantes do Planalto Dissecado Jari-Araguari e as litologias do Núcleo Arqueano Oiapoque corresponderiam ao Planalto Dissecado do Norte do Amapá (…)

Com base no contexto geológico, nos inúmeros depósitos e ocorrências minerais, no número e na concentração de títulos minerários e muito por decorrência da fertilidade mineral do estado Amapá, a CPRM, ao executar o Projeto Geodiversidade do Estado do Amapá identificou e individualizou 9 (nove) Áreas de Relevante Interesse Mineral ou áreas com potencial para produção mineral…

Fonte: CPRM, 2016

Downloads:
Mapa: http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/13678/geodiversidade_amapa.pdf
Livro: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/bitstream/doc/17171/1/LivroGeodiversidadeAP.pdf
SIG: http://gd.cprm.gov.br/mapas_geodiversidade/gdap_lito.zip

Fonte: Geodiversidade do estado do Amapá / Organização Xafi da Silva Jorge João [e] Sheila Gatinho Teixeira – Belém: CPRM, 2016.

Geodiversidade do Estado de Alagoas

“A evolução geológica do território pertencente ao estado de Alagoas, localizado na região Nordeste do Brasil, remonta a um histórico de colisões continentais que originaram sequências vulcanossedimentares deformadas e formação de crosta oceânica, que deram origem aos depósitos plataformais, além de sucessivos processos erosivos e de sedimentação aplainando as superfícies e formando as bacias sedimentares. (…)”

Uma das formações mais imponentes encontradas no estado correspondem aos Granitoides Tardi a Pós-orogênicos . As rochas que compreendem esse domínio perfazem a Suíte Intrusiva Xingó, que ocorre em corpos alongados no setor sudoeste da área próximo à divisa com o estado de Sergipe, sendo formado por leucogranitos, granodioritos com muscovita e/ou biotita e turmalina-muscovita granitos.

Fonte: CPRM, 2016

Links para download:
Livro: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/bitstream/doc/17029/3/LivroGeodiversidadeAL051216.pdf
Mapa: http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/13677/Geodiv-Alagoas.pdf
SIG: http://gd.cprm.gov.br/mapas_geodiversidade/gdal_lito.zip

Fonte: Geodiversidade do estado de Alagoas / Organização Tereza Cristina Bittencourt Villanueva, – Salvador: CPRM, 2016.

Geodiversidade do Estado do Acre

“Nas duas últimas décadas, e de forma mais intensa nos anos mais recentes, vem se observando no país um interesse crescente por atividades associadas ao segmento do turismo ecológico, mais particularmente o geoturismo, devido ao fascínio exercido pelos atrativos naturais sobre o imaginário das pessoas. O geoturismo, por definição, envolve o turismo ecológico com informações e atrativos de natureza geológica. (…) Um observador comum, ao dirigir o olhar para determinada paisagem natural possuidora de beleza cênica, irá considerá-la apenas um objeto contemplativo, sem procurar resgatar as informações a ela associadas. A existência de formas de relevo destacadas, entretanto, deve conduzir a uma visão mais ampla e integrada, desde sua origem geológica e ação de agentes intempéricos que modelam a paisagem a eventuais conteúdos fossilíferos e evidências antrópicas, as quais agregam valor a determinado cenário natural, possibilitando ao geoturista melhor entendimento dos processos geológicos e antrópicos que envolvem aquele atraente cenário.” (CPRM, 2015)

“Já o patrimônio paleontológico do Acre registra a presença de numerosos sítios fossilíferos em três períodos distintos: restos fósseis de pequeno porte, associados aos conglomerados cretácicos da Formação Moa, no rio homônimo; importante megafauna e ainda restos vegetais identificados na Formação Solimões, de idade miocênica a pliocênica, e finalmente, um conteúdo fóssil nos sedimentos pleistocênicos, retrabalhados pelos processos erosivos sub-recentes a atuais, favorecendo sua deposição em sedimentos holocênicos. A importância geocientífica desses jazimentos fossilíferos foi devidamente registrada por numerosos pesquisadores regionais, nacionais e/ou internacionais, produzindo dezenas de artigos científicos, induzindo a um crescente interesse geoturístico. Os sítios fossilíferos ocorrem predominantemente ao longo de diversas bacias hidrográficas do estado, notadamente nos rios Acre, Juruá, Purus, Envira e Tarauacá, capazes de apresentar taludes marginais expressivos, constantemente retrabalhados pela erosão fluvial, permitindo que aflorem fragmentos de representantes da fauna e da flora antigas. Sítios paleontológicos importantes foram identificados nos rios Purus e Acre (Cachoeira do Bandeira), onde foram encontrados crocodilídeos de grande porte (por exemplo, Purussaurus brasiliensis), um dos quais atingindo 12 m, cujo crânio está depositado no Laboratório de Pesquisas Paleontológicas da Universidade Federal do Acre (LPP/UFAC) em Rio Branco” (CPRM, 2015)

Download do Mapa: CLIQUE AQUI

Download do Texto: CLIQUE AQUI

Download do SIG: CLIQUE AQUI

Adamy, Amílcar. Geodiversidade do estado do Acre / Organização Amílcar Adamy. – Porto Velho: CPRM, 2015. 321 p. ; il., color.; 30 cm + 1 DVD-ROM Programa Geologia do Brasil. Levantamento da Geodiversidade. ISBN 978-85-7499-156-6