Biocombustíveis sólidos: fonte energética alternativa visando a recuperação de áreas degradadas e à conservação do Bioma Caatinga.

De acordo com a definição da Convenção de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca (CCD), realizada em 1994, desertificação é a degradação da terra nas zonas áridas, semiáridas e subúmidas secas. É um processo que resulta de vários fatores, incluindo as variações climáticas e as atividades humana. No caso do Semiárido brasileiro, o mais populoso do mundo, com 23 milho?s de habitante, a principal causa desse fenômeno é o desmatamento da Caatinga, seja para ampliar as áreas de plantio e pastagem, seja para fornecer madeira para os fornos das indústrias locais. Esta obra parte do estudo da realidade da região do Baixo-Açu potiguar, uma das áreas com os piores índices de desenvolvimento humano do País, a qual se encontra em franco processo de desertificação. Com base nessa realidade, o livro propõe a produção de um biocombustível que consiga amenizar a pressão antrópica sobre o meio ambiente e, ao mesmo tempo, preservar os empregos ora existente e criar outros: os briquetes. Apesar de só recentemente terem começado a ser produzidos em maior escala no País, os briquetes ainda são ilustres desconhecidos da maior parte da população brasileira.

DOWNLOAD

Fonte: https://www.embrapa.br/solos/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1000307/biocombustiveis-solidos-fonte-energetica-alternativa-visando-a-recuperacao-de-areas-degradadas-e-a-conservacao-do-bioma-caatinga

PROBIO – 10 anos

O PROBIO – Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira – é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente – MMA em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, e tem como objetivo geral auxiliar o governo do Brasil no desenvolvimento do Programa Nacional de Biodiversidade.

A enorme diversidade biológica do Brasil se encontra espalhada em inúmeros ecossistemas no território brasileiro, cada um com sua composição única de fauna e flora. Estes variados ecossistemas, por sua vez, podem ser agrupados em entidades geográficas maiores chamadas BIOMAS, definidos como um conjunto amplo de ecossistemas, de dimensões subcontinentais, adaptado às condições particulares em que se encontram, e caracterizado por fitofisionomias próprias.

O bioma foi utilizado como macro nível de análise e permitiu perceber os relacionamentos ecológicos em grande escala . O Probio trabalha com seis biomas terrestres: a Floresta Amazônica, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga, a Mata Atlântica e o Pampa − e com a Região Costeira e a Região Marinha, que são constituídas de vários biomas diferenciados. Os relatórios abaixo disponíveis tratam temas como Biomas, Unidades de Conservação, Ecossistemas, Espécies, Agrobiodiversidade e Questões Sócioculturais.

A seguir estão os links para as publicações disponíveis

PROBIO – Dez Anos de Atuação

Quarto Relatório Nacional para a Convenção Sobre a Diversidade Biológica

Relatório de Atividades PROBIO 2002-2004

Relatório de Atividades PROBIO 1996-2002

Fonte: MMA