Savanas: Desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais (2008)

A Embrapa Cerrados disponibiliza a versão em pdf do livro: Savanas: Desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais (2008), FALEIRO, F. G. & FARIAS NETO, A. L. de  — Download (29.6 MB)

Este livro é um produto do IX Simpósio Nacional sobre o Cerrado e do Simpósio Internacional de Savanas Tropicais, nele são abordados temas atuais e futuros relacionados ao Bioma Cerrado e outras savanas tropicais, além de histórico de fronteiras e frentes de ocupação relações com as Mudanças Climáticas, Agropecuária e  Socioeconomia, entre outros. Alguns capítulos constam somente em inglês, mas ainda assim são mais de 1.100 páginas de informação sobre o cerrado e as savanas tropicais.

Livro “Ecodinâmica” de Jean Tricart para Download

Jean Tricart elaborou uma classificação ecodinâmica dos meios ambientes, assinalando o aparecimento da teoria sistêmica na Geografia.

Tricart (1977) define um sistema como um conjunto de fenômenos que se processam mediante fluxos de matéria e energia. Esses fluxos originam relações de dependência mútua entre os fenômenos. Surge daí uma entidade global nova, mas dinâmica. Para o autor, esse conceito permite adotar uma atitude dialética entre a necessidade da análise e a necessidade de uma visão de conjunto, capaz de ensejar uma atuação eficaz sobre esse meio ambiente. Através da análise de um sistema, reconhecem-se conceitualmente as suas partes interativas, o que torna possível captar a rede interativa sem ter de separá-las. “O conceito de sistema é, atualmente, o melhor instrumento lógico de que dispomos para estudar os problemas do meio ambiente” (TRICART, 1977).

Este livro é fonte imprescindível para aqueles que desenvolven ou planejam estudos e projetos sobre Vulnerabilidade Ambiental. É uma espécie de marco inicial na teoria sistêmica da Geografia.

Link para download do Livro: http://www.4shared.com/document/2blyZweM/JEAN_TRICART_-_ECODINMICA.html

Projeto de Monitoramento do Desmatamento dos Biomas Brasileiros por Satélite – PMDBBS

Este projeto tem o intuito de quantificar desmatamentos de áreas com vegetação nativa nos Biomas Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal, e de embasar ações de fiscalização e combate a desmatamentos ilegais naqueles biomas, cabendo ao Centro de Sensoriamento Remoto do Ibama – CSR a detecção dos desmatamentos.

Para o desenvolvimento do monitoramento atual (identificação de mudanças na cobertura vegetal nativa referente aos períodos até 2002 e entre 2002 e 2008) foram utilizadas imagens dos satélites Landsat e CBERS, disponiveis gratuitamente pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE.
O mapa dos remanescentes da cobertura vegetal Brasileira do PROBIO/MMA foi considerado como “mapa de tempo zero” para início do monitoramento. Tal mapa refere-se ao periodo até 2002. As imagens de satélite utilizadas na sua geração (PROBIO) foram empregadas como informação pretérita para identificação das mudanças na cobertura vegetal. Desse modo, as áreas identificadas no mapa do PROBIO como “antrópicas” foram mascaradas (polígonos em preto nas figuras que seguem) e não foram consideradas na análise realizada pelos técnicos de interpretação. Estes buscaram a identificação de possíveis desmatamentos no interior das áreas com vegetação nativa.

O procedimento de identificação dos polígonos de áreas desflorestadas teve como escala base de trabalho a escala 1:50.000 e área mínima de detecção do desmatamento de 2 ha, estando os respectivos resultados separados/disponibilizados conforme articulação 1:250.000 das folhas cartográficas do IBGE em sistema de referência geográfica (datum SAD69).

O link principal para acesso às informações dos Biomas e shapefiles para Download é http://siscom.ibama.gov.br/monitorabiomas/index.htm ou no link http://mapas.mma.gov.br/mapas/aplic/monitoramento_biomas_2002_2008/datadownload.htm

Planejamento Sistemático da Conservação

Historicamente, a criação de unidades de conservação no Brasil em sua maioria segue uma lógica não fundamentada em aspectos técnico-científicos, em função de questões de conflitos pelo território que acabam sobrepujando quase toda e qualquer justificativa técnica. Embora tais questões sociopolíticas sejam consideradas indissociáveis do processo de criação, para que um sistema de UCs cumpra efetivamente o objetivo de conservar a biodiversidade, no sentido amplo, conceitos e princípios da biologia da conservação devem orientar o estabelecimento de uma rede ideal de áreas protegidas.

Está disponível a apostila de Planejamento Sistemático da Conservação foi elaborada pela Coordenação de Zoneamento Ambiental do IBAMA, e é fruto da compilação de uma série de outros impressos: manuais, apostilas, cursos rápidos, tutoriais e apresentações. Esta apostila foi elaborada para facilitar a vida do usuário desta metodologia, sendo uma primeira aproximação, esperamos melhorar e atualizar seu conteúdo para as próximas versões.

O documento em formato PDF está disponível em http://www.ibama.gov.br/zoneamento-ambiental/wp-content/files/Planejamento_Sistematico_da_conservacao-6.pdf

Geobank – CPRM

O Serviço Geológico do Brasil – CPRM, apresenta aos usuários da geoinformação o banco de dados GEOBANK. Concebido inicialmente para dar suporte ao Projeto GIS do Brasil, o banco foi projetado e desenvolvido em plataforma Oracle®, com dados do tipo misto objeto-relacional de forma a poder atender, em sua concepção, às pesquisas espaciais de maneira dinâmica.

O projeto GIS do Brasil reuniu o acervo de mapas geológicos em diversas escalas, existentes na CPRM até 2002, padronizando informações e codificando as unidades litoestratigráficas e uniformizando suas letras símbolo, de modo que cada unidade tenha uma abreviatura única, válida em todo país. Esta abordagem foi feita inicialmente na escala 1:2.500.000 e em seguida na escala 1:1.000.000. A escala cartográfica do projeto é de 1:1.000.000, contudo a escala da informação geológica varia entre 1:1.000.000 e 1:250.000. Em alguns locais de mapeamento geológico mais detalhado, como as províncias Mantiqueira, São Francisco e Borborema ela pode alcançar até 1:100.000.

São encontrados:
Mapas de Geodiversidade, Mapas Geológicos dos Projetos da CPRM, Mapas Geológicos das Universidades, Mapas Geológicos Estaduais e Mapas Hidrogeológicos

Link: http://geobank.sa.cprm.gov.br/

O manual do GEOBANK está disponível em http://geobank.sa.cprm.gov.br/downloads/cartilha_geobank.pdf