Geodiversidade do Estado do Acre

“Nas duas últimas décadas, e de forma mais intensa nos anos mais recentes, vem se observando no país um interesse crescente por atividades associadas ao segmento do turismo ecológico, mais particularmente o geoturismo, devido ao fascínio exercido pelos atrativos naturais sobre o imaginário das pessoas. O geoturismo, por definição, envolve o turismo ecológico com informações e atrativos de natureza geológica. (…) Um observador comum, ao dirigir o olhar para determinada paisagem natural possuidora de beleza cênica, irá considerá-la apenas um objeto contemplativo, sem procurar resgatar as informações a ela associadas. A existência de formas de relevo destacadas, entretanto, deve conduzir a uma visão mais ampla e integrada, desde sua origem geológica e ação de agentes intempéricos que modelam a paisagem a eventuais conteúdos fossilíferos e evidências antrópicas, as quais agregam valor a determinado cenário natural, possibilitando ao geoturista melhor entendimento dos processos geológicos e antrópicos que envolvem aquele atraente cenário.” (CPRM, 2015)

“Já o patrimônio paleontológico do Acre registra a presença de numerosos sítios fossilíferos em três períodos distintos: restos fósseis de pequeno porte, associados aos conglomerados cretácicos da Formação Moa, no rio homônimo; importante megafauna e ainda restos vegetais identificados na Formação Solimões, de idade miocênica a pliocênica, e finalmente, um conteúdo fóssil nos sedimentos pleistocênicos, retrabalhados pelos processos erosivos sub-recentes a atuais, favorecendo sua deposição em sedimentos holocênicos. A importância geocientífica desses jazimentos fossilíferos foi devidamente registrada por numerosos pesquisadores regionais, nacionais e/ou internacionais, produzindo dezenas de artigos científicos, induzindo a um crescente interesse geoturístico. Os sítios fossilíferos ocorrem predominantemente ao longo de diversas bacias hidrográficas do estado, notadamente nos rios Acre, Juruá, Purus, Envira e Tarauacá, capazes de apresentar taludes marginais expressivos, constantemente retrabalhados pela erosão fluvial, permitindo que aflorem fragmentos de representantes da fauna e da flora antigas. Sítios paleontológicos importantes foram identificados nos rios Purus e Acre (Cachoeira do Bandeira), onde foram encontrados crocodilídeos de grande porte (por exemplo, Purussaurus brasiliensis), um dos quais atingindo 12 m, cujo crânio está depositado no Laboratório de Pesquisas Paleontológicas da Universidade Federal do Acre (LPP/UFAC) em Rio Branco” (CPRM, 2015)

Download do Mapa: CLIQUE AQUI

Download do Texto: CLIQUE AQUI

Download do SIG: CLIQUE AQUI

Adamy, Amílcar. Geodiversidade do estado do Acre / Organização Amílcar Adamy. – Porto Velho: CPRM, 2015. 321 p. ; il., color.; 30 cm + 1 DVD-ROM Programa Geologia do Brasil. Levantamento da Geodiversidade. ISBN 978-85-7499-156-6

Geodiversidade do Rio de Janeiro – Mapa e SIG

Geodiversidade é o estudo da natureza abiótica (meio físico), constituída por uma variedade de ambientes, composições, fenômenos e processos geológicos que dão origem às paisagens, rochas, minerais, águas, fósseis, solos, clima e outros depósitos superficiais que propiciam o desenvolvimento da vida na Terra, tendo como valores intrínsecos a cultura, o estético, o econômico, o científico, o educativo e o turístico (SILVA, 2008).

O termo geodiversidade utilizado pela CPRM/SGB contempla a definição de domínios e unidades geológico-ambientais e seus compartimentos de relevo que constituem as unidades de análise. Cada unidade foi caracterizada a partir da descrição dos parâmetros relacionados a tectônica de dobramento e fraturamento; aspectos texturais, como isotropia e anisotropia; resistência ao intemperismo físico e químico; grau de coerência; textura do manto de alteração; característica lito-hidroestratigráfica (porosidade e tipo de aquífero); caracterização quanto ao padrão de relevo (tipo de forma, intervalos de amplitude topográfica e declividade). (Fonte: CPRM)

Links para Download

Mapa em PDF >> http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/bitstream/doc/20479/1/geodiversidade_rj_final.pdf

Mapa de Geodiversidade do Rio de Janeiro

Informação ao Usuário >> http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/bitstream/doc/20479/3/info_ao_usuario.pdf

SIG COMPLETO >> http://gd.cprm.gov.br/mapas_geodiversidade/sig_rj_geodiversidade.zip

Sistema de Projeção e Formato dos Dados

Os arquivos constituintes do SIG encontram-se em formato vetorial e raster, compatíveis com a escala 1:400.000 (Base geológica) e 1:250.000 (Base cartográfica). Os dados no SIG foram projetados utilizando o datum SIRGAS2000 (Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas), novo sistema de referência geodésico para o Sistema Geodésico Brasileiro (SGB) e para as atividades da Cartografia Brasileira, adotado pela CPRM a partir de 2014. O mapa impresso é apresentado em Projeção Policônica, datum planimétrico SIRGAS 2000, com latitude de origem 0º e longitude de origem 42º W de Greenwich. As bases cartográficas digitais foram obtidas a partir de simplificações, adaptações e modificações na hidrografia e sistema viário da Base Cartográfica do Projeto Geologia e Recursos Minerais do Rio de Janeiro (Heilbron et al, 2016)).

Sobre o SIG Geodiversidade do Rio de Janeiro

O SIG Geodiversidade do Estado do Rio de Janeiro (escala 1:400.000) foi elaborado a partir da reorganização e reinterpretação do Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Rio de Janeiro (Heilbron et al, 2016) de informações agregadas obtidas por meio de trabalho de campo, consulta bibliográfica e dados de instituições públicas e de pesquisa. Os temas que compõem o SIG e que deram origem ao mapa, bem como suas respectivas fontes, são os seguintes:

Atrativos Geoturísticos – Atrativos – elaborado para este projeto a partir da compilação e cruzamento de informações referentes ao geoturismo, localização de geossítios e propostas de geoparques; Caminhos Geológicos – elaborado a partir de dados do projeto Caminhos Geológicos, do Departamento de Recursos Minerais do Rio de Janeiro – DRM (http://www.drm.rj.gov.br). Regiões Turísticas – elaborado a partir da dos dados disponibilizados por TURISRIO (www.turisrio.rj.gov.br/ ). Cavernas, Geoparques propostos, Sítios SIGEP – Base de dados obtida em: CECAV (www.icmbio.gov.br/cecav ), Geoparques do Brasil – Propostas, Volume 1 (Schobbenhaus e Silva, 2012) e Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil – Volumes I a III (Schobbenhaus et al, 2002; Winge et. Al, 2009; Winge et. Al, 2013)

Base Planimétrica – Massa dágua, Trecho de drenagem, Área edificada, trecho rodoviário e trecho ferroviário. Base cartográfica vetorial ajustada do Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Rio de Janeiro (Heilbron et al, 2016).

Dados do Mar – Blocos de Exploração, Campos de Produção, Polígono Pré Sal, Bacias_Sedimentares (Dados da ANP, disponível http://app.anp.gov.br/webmaps/). Aguas Jurisdicionais, Estruturas Oceano, Ocorrências Minerais, Recursos Minerais Mar (Dados da CPRM, SIG Geologia da Plataforma Continental Jurídica Brasileira e Áreas Oceânicas Adjacentes. Escala 1:2.500.000. CPRM, 2008). Batimetria – Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Rio de Janeiro (Heilbron et al, 2016).

Direitos Minerários – Registros de requerimento, concessão e licenciamento de lavra para diversos bens minerais, segundo o Sistema de Informações Geográficas da Mineração – SIGMINE (DNPM, Disponível em: http://sigmine.dnpm.gov.br/)

Estruturas Geológicas – Estruturas, contatos e diques, segundo SIG Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016).

Geomorfologia – Elaborado a partir do Mapa Geomorfológico do estado do Rio de Janeiro (Dantas, 2001), o qual foi elaborado com base em fotointerpretação de imagens de satélites Landsat 5tm, acoplado com análises de cartas topográficas e trabalhos de campo. Bases metodológicas: Ponçano et al. (1979); IPT (1981); Ross (1990) e Ross & Moroz (1996).

Imagens – Mosaico GEOCOVER (2000), Modelo Digital de Elevação (SRTM e ASTER) e Relevo sombreado: gerado a partir do SRTM com iluminação artificial, declinação de 315° e elevação de 45°. Nota: O Modelo Digital de Elevação (MDE) foi gerado em formato de 16 pixel. • Limites – Limite municipal – extraído do SIG Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016).

Ocorrências Minerais – Base de dados de recursos minerais (Materiais de Uso Direto na Construção Civil, Rochas e Minerais Industriais, Minerais Energéticos, Água Mineral). Dados obtidos a partir do Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Estado do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016). Disponível em geosgb.cprm.gov.br/.

Potencial Mineral – Áreas consideradas portadoras de significante potencial mineral, geradas a partir de consulta e interpretação dos dados das seguintes fontes: Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Estado do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016); Geologia e Recursos Minerais do Estado do Rio de Janeiro – Texto Explicativo dos Mapas Geológico e de Recursos Minerais do Estado do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016) e Contexto Geológico-Geotectônico da Faixa Manganesífera-Grafitosa Localizada entre Itaperuna/RJ e Volta Grande-MG (Guimarães, P.V., 2011).

Processos Geológico-Geotécnicos – Aterros e depósitos antrópicos e Tálus_sujeito_movimentações – Dados obtidos a partir do Mapa geológico e de Recursos Minerais do estado do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016). Áreas sujeitas à inundação, Depósitos de areias argilas e turfas, Erosão Eólica e Sedimentos_de_mangue – Dados obtidos a partir do Mapa geológico e de Recursos Minerais do estado do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016) e do Mapa geomorfológico do estado do Rio de Janeiro (Dantas, 2001). Movimentos_de_massa – Dados obtidos a partir do Mapa geológico e de Recursos Minerais do estado do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016), do Mapa geomorfológico do estado do Rio de Janeiro (Dantas, 2001) e das Cartas de Suscetibilidade a Movimentos de Massa e Inundação Municipais (CPRM). Baixa suscetibilidade – Dados obtidos a partir do Mapa geológico e de Recursos Minerais do estado do Rio de Janeiro (Heilbron et. al, 2016), das Cartas de Suscetibilidade a Movimentos de Massa e Inundação Municipais (CPRM – Disponível em: . Acesso em: maio 2018), do Projeto Rio de Janeiro (CPRM, 2001) e de Informações de Campo. Feições movimento de massa – Dados obtidos a partir das Cartas de Suscetibilidade a Movimentos de Massa e Inundação Municipais (CPRM). Suscetibilidade a erosão – Dados obtidos a partir do Mapa de Solos do Estado do Rio de Janeiro (Carvalho Filho et. al, 2003), do Mapa Geomorfológico do Estado do Rio de Janeiro (Dantas, 2001) e das Cartas de Suscetibilidade a Movimentos Gravitacionais de Massa e Inundação Municipais (CPRM). Solos_expansíveis – Dados obtidos a partir do Mapa de Solos do Estado do Rio de Janeiro (Carvalho Filho et. al, 2003). Erosão marinha – Elaborada a partir de dados do texto Erosão e Progradação no litoral brasileiro – Rio de Janeiro (Muehe, 2006).

Recursos Hídricos – Favorabilidade hídrica do cristalino – Dados gerados por interpolação de informações de litologia, declividade, fraturamento, solos e uso e ocupação, a partir do cruzamento do Mapa geológico (Heilbron et al, 2016) e do Projeto Rio de Janeiro (CPRM, 2001). Parâmetros extraídos de Hsin-Fu Yeh et. al.(2016), Brandão e Gomes (2003) e Jayakaran et. al (2016); Favorabilidade hídrica das bacias sedimentares – Limites dos aquíferos segundo Projeto Rio de Janeiro (CPRM, 2001) e classificação segundo Martins et. al (2006); Poços tubulares cadastrados no Sistema de Informações de Águas Subterrânea (SIAGAS) da CPRM (disponível em
http://siagasweb.cprm.gov.br/layout/ ) e do Projeto Rio de Janeiro (dados originais do INEA, cedidos para o projeto Rio de Janeiro).

Registro Fotográfico – Acervo de fotos das unidades geológico-ambientais por local visitado. Elaborado por este projeto.

Unidades Geológico-Ambientais – Elaborado a partir do agrupamento das unidades geológicas, segundo critérios adotados pelo presente projeto, do SIG do Mapa Geológico e de Recursos Minerais do Rio de Janeiro (Heilbron et el, 2016)

Unidades de Conservação – Unidades de conservação federais, estaduais e municipais. Dados obtidos em INEA – Instituto Estadual do Ambiente, disponível em http://www.inea.rj.gov.br/Portal/MegaDropDown/EstudosePublicacoes/Publicacoes/index.htm&l ang= e do BRASIL – MMA.

Projeto DataGEO – São Paulo

O Projeto DataGEO objetiva estruturar, organizar e disponibilizar as bases de informações ambientais e territoriais do Sistema Ambiental Paulista por meio da construção de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Ambientais – IDEA-SP.

Untitled

A IDEA-SP viabiliza a disponibilização de uma Base de Informação Territorial Ambiental padronizada e qualificada para apoiar as ações de Licenciamento, Fiscalização, Planejamento e Gestão em suas análises e tomadas de decisão.

Os temas abordados são:

  • Abastecimento de Água
  • Áreas com Diretrizes Especiais de Uso
  • Áreas Protegidas
  • Biodiversidade
  • Clima
  • Controle Ambiental
  • Energia
  • Fauna
  • Fiscalização Ambiental
  • Geologia e Recursos Minerais
  • Geomorfologia
  • Hidrografia e Hidrologia
  • Imageamento e Ortoimagem
  • Legislação, Normas e Especificação
  • Licenciamento Ambiental
  • Limites Políticos-Administrativos
  • Localização e Referência Espacial
  • Manancial
  • Mapeamento Básico
  • Monitoramento Ambiental
  • Planejamento Ambiental
  • Relevo / Modelos de Terreno
  • Riscos Naturais
  • Saneamento
  • Socioeconômico
  • Solos
  • Topografia
  • Transportes
  • Unidades de Análise
  • Uso e Cobertura do Solo
  • Vegetação
  • Zoneamento e Ordenamento

LINK: http://datageo.ambiente.sp.gov.br/web/guest/inicio

Geodiversidade do Estado de São Paulo

Dando continuidade à série Geodiversidade, o CPRM disponibiliza o livro “Geodiversidade do estado de São Paulo/ Organização Carlos Augusto Brasil Peixoto. – São Paulo: CPRM, 2010. 176 p.”

“O Levantamento da Geodiversidade do Estado de São Paulo, desenvolvido na escala 1:750:000, apresenta a superfície territorial do estado – 248.209,426 km² – compartimentada em 14 domínios, que, por sua vez, foram subdivididos em 50 unidades geológico-ambientais.

Na descrição de cada domínio e de suas unidades formadoras serão abordados os elementos de definição e as áreas de ocorrência do domínio, exemplos de litologias formadoras de cada unidade geológico-ambiental, formas de relevo e suas características.” (Introdução – Capítulo 3)

DOWNLOAD

OBS: Os arquivos vetoriais estão disponíveis no Geobank

Revista Brasileira de Geografia (Download)

Nos anos de 1939 e 1940, o IBGE iniciou, respectivamente, a edição da Revista Brasileira de Geografia e da Revista Brasileira de Estatística. Através da contribuição dos técnicos do IBGE e de outras instituições nacionais e internacionais, são divulgados nestas revistas artigos e comunicações sobre o conhecimento geocientífico; econômico e social, além de estudos metodológicos.

Com o objetivo de permitir a busca e a recuperação destes estudos, a Gerência de Biblioteca e Acervos Especiais – GEBIS coloca à disposição dos usuários os sumários da Revista Brasileira de Geografia 

Fonte: IBGE

LINK: http://biblioteca.ibge.gov.br/d_detalhes.php?id=7115

Infelizmente, por enquanto, ainda não há um sumário das edições disponíveis para download… =/