Utilização de imagens LANDSAT – 8 para caracterização da cobertura vegetal

Publicado em MundoGEO

Por Izabela Prates | 13h44, 10 de Junho de 2014

Por André S. Alvarenga e Marcelo F. Moraes

Processamento digital de imagens LANDSAT – 8 para obtenção dos índices de vegetação NDVI e SAVI visando a caracterização da cobertura vegetal no município de Nova Lima – MG

A redução dos recursos naturais devido à ação antrópica, estimula uma constante aquisição de informações ambientais espaço-temporais com o objetivo de compreender padrões de uso e ocupação e organização do homem no espaço. Para tanto, a utilização de imagens de satélite para fins de mapeamento, planejamento e monitoramento ambiental tem sido realizada há várias décadas. Atualmente, novas tecnologias aliadas a softwares cada vez mais modernos têm possibilitado o uso de imagens de satélite para variados fins.

(…)

A pesquisa ora apresentada justifica-se na demonstração da utilização de índices de vegetação por meio de técnicas de sensoriamento remoto, destacando a importância de se ter seletividade na escolha do índice de vegetação mais apropriado para a área e para a finalidade da pesquisa proposta. Para tanto, a pesquisa busca analisar o desempenho de dois índices de vegetação; o Índice de Vegetação da Diferença Normalizada (NDVI) e o Índice de Vegetação Ajustado ao Solo (SAVI), visando identificar qual melhor representa e discrimina a cobertura vegetal do município de Nova Lima – MG.

Sendo assim, esta pesquisa tem como objetivo geral realizar análises em imagens de satélite Landsat-8 processadas por meio de técnicas de sensoriamento remoto, bem como comparar a configuração da cobertura vegetal obtida por meio dos índices de vegetação NDVI e SAVI. Para tanto, o município de Nova Lima – MG será considerado a área de pesquisa devido às características inerentes ao município. Características que são abobadadas no item 3.2.7 e que estão enraizadas no desenvolvimento do setor de extração mineral que, por sua vez, contribuí de forma significativa no uso e ocupação do solo e desenvolvimento econômico do município de Nova Lima.

Os objetivos específicos deste trabalho são:

  • Determinar a cobertura vegetal por meio de técnicas de sensoriamento remoto relativas aos índices de vegetação;
  • Determinar o índice de vegetação (NDVI ou SAVI) mais eficaz na detecção da cobertura vegetal da área pesquisada;
  • Demonstrar que índices relativos à vegetação são técnicas que propiciam a caracterização da cobertura vegetal e outros alvos sem necessidade de levantamento em campo;
  • Avaliar o desempenho dos índices de vegetação para fins de planejamento urbano.
Fluxograma metodológico simplificado (Autor: André S. Alvarenga)

Fluxograma metodológico simplificado (Autor: André S. Alvarenga)

Resultados e Discussão

A álgebra de mapas para os índices de vegetação NDVI e SAVI das imagens Landsat-8 de 25/06/2014 que englobam o município de Nova Lima – MG apresentaram resultados muito aproximados, representando de forma satisfatória a vegetação e outros alvos (água, solo exposto e área edificada). Os valores mínimos e máximos obtidos por meio da álgebra de mapas para os índices NDVI e SAVI apresentaram diferenças, contudo, para maior clareza da interpretação, foram adotados nos dois mapas os mesmos intervalos temáticos para as classes definidas. Portanto os dois índices foram segmentados em 6 classes a saber:

Índice de Vegetação da Diferença Normalizada (NDVI): -1,0 a -0,9 (água), -0,9 a -0,16 (solo exposto), -0,16 a 0,1 (área edificada), 0,1 a 0,5 (vegetação arbustiva), 0,5 a 0,6 (transição de vegetação arbustiva – arbórea) 0,6 a 1,0 (vegetação arbórea).

Índice de Vegetação Ajustado ao Solo (SAVI): -1,49 a -1,4 (água), -1,4 a -0,25 (solo exposto), -0,25 a 0,15 (área edificada), 0,15 a 0,75 (vegetação arbustiva), 0,75 a 0,9 (transição de vegetação arbustiva – arbórea) 0,9 a 1,49 (vegetação arbórea).

Apesar dos índices apresentarem diferenças entre os valores mínimos e máximos devido os algoritmos serem diferentes, observa-se que após a divisão das classes (6 em ambos) os mesmos apresentaram diferença visual imperceptível como podemos observar na Figura 3. Contudo, apesar da utilização das mesmas bandas nos algoritmos, a real diferença entre ambos está no fato da adição da constante “L” no índice SAVI modificar a escala de valores que acompanha o resultado para o índice, proporcionando um range mais amplo que pode ser explorado a favor do número de classes determinadas pelo pesquisador.

Mapas dos Índices de Vegetação NDVI e SAVI com máscara do limite municipal (IBGE) referente a imagem Landsat-8 datada em 25/06/2014.

Mapas dos Índices de Vegetação NDVI e SAVI com máscara do limite municipal (IBGE) referente a imagem Landsat-8 datada em 25/06/2014.

Artigo completo em : http://mundogeo.com/blog/2014/06/10/processamento-digital-de-imagens-landsat-8-para-obtencao-dos-indices-de-vegetacao-ndvi-e-savi-visando-a-caracterizacao-da-cobertura-vegetal-no-municipio-de-nova-lima-mg/

Plano Municipal de Resíduos Sólidos de Niterói (RJ)

A prefeitura de Niterói disponibiliza para download o Plano Municipal de Resíduos Sólidos, ferramenta de vem de encontro à necessidade de informações para a destinação correta dos resíduos e consequentes mitigação de impactos ambientais.

O plano busca atender “princípios específicos como a busca pela universalização e pela regularidade do atendimento nos serviços públicos de limpeza municipal, visando a prestação dos serviços essenciais para a totalidade da população dentro dos padrões de salubridade indispensáveis.”

LINK

Histórico Demográfico do Município de São Paulo

Pelas páginas deste Histórico Demográfico, editado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, é possível acompanhar mais de 100 anos de evolução da cidade de São Paulo, por meio de informações censitárias colhidas desde 1872, data do 1º censo demográfico feito no Brasil, até o mais recente, realizado em 2010.

1810

Primeira Planta Imperial da Cidade de São Paulo 1810

São oferecidas três opções de consulta ao site. Clicando-se em tabelas, abre-se o acesso aos dados sobre a população paulistana, coletados em cada um dos 12 censos já produzidos. Taxas de crescimento, composição etária e divisão por gênero, além de uma visão da população do município de São Paulo inserida nos contextos metropolitanos, estadual e nacional, são algumas das possibilidades de consulta oferecidas. Informações referentes às diversas porções do município estão presentes nos dados sobre seus 96 distritos, incluindo o recurso às retroprojeções, que permitem comparar dados distritais de 1991, 2000 e 2010 com aqueles coletados entre 1950 e 1980, antes, portanto, da criação da atual divisão territorial do município.

1924

Planta da Cidade de São Paulo 1924 / 1:30.000

Essas informações estão acompanhadas de rico material iconográfico, compondo precioso acervo de imagens que captam as feições da cidade ao longo do tempo e registram as transformações que a conduziram do século XIX ao XXI. Para acesso às fotos e mapas, que vêm acompanhados de textos explicativos, clique em Fotos e Mapas e navegue pelas datas dos Censos. Para ver um breve filme em flash, com fundo musical “São Paulo, São Paulo” do Grupo Premê, clique no botão Animação.

Área Urbanizada 1963/1974

Área Urbanizada 1963/1974

FONTE: http://smdu.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/index.php

EIA das Obras de Implantação da Ferrovia Oeste Leste, entre Figueirópolis (TO) e Ilhéus (BA)

Este estudo se destina à obtenção da LICENÇA PRÉVIA, segundo as Resoluções CONAMA 001/86 e 237/97, compreendendo a Avaliação da Viabilidade Ambiental da Ferrovia de Integração Oeste Leste (EF-334), conforme está previsto no Plano Nacional de Viação, segundo a Lei N° 11.772, de 17 de setembro de 2008. Nessa fase, é definida uma diretriz básica e um corredor, no qual são estudadas as alternativas de traçado. O levantamento ambiental enfoca esse corredor, de modo que as sugestões e recomendações dele decorrentes possam ser incorporadas ao futuro projeto básico.

FONTE: OIKOS Pesquisa Aplicada Ltda.

Download: http://www.oikos.com.br/site_ok/adobados/EIA_RIMA_FIOL/88FOL_2009_11_27_VOL1/88FOL_2009_11_EIA_VOL1_V11.pdf

Projeto DataGEO – São Paulo

O Projeto DataGEO objetiva estruturar, organizar e disponibilizar as bases de informações ambientais e territoriais do Sistema Ambiental Paulista por meio da construção de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Ambientais – IDEA-SP.

Untitled

A IDEA-SP viabiliza a disponibilização de uma Base de Informação Territorial Ambiental padronizada e qualificada para apoiar as ações de Licenciamento, Fiscalização, Planejamento e Gestão em suas análises e tomadas de decisão.

Os temas abordados são:

  • Abastecimento de Água
  • Áreas com Diretrizes Especiais de Uso
  • Áreas Protegidas
  • Biodiversidade
  • Clima
  • Controle Ambiental
  • Energia
  • Fauna
  • Fiscalização Ambiental
  • Geologia e Recursos Minerais
  • Geomorfologia
  • Hidrografia e Hidrologia
  • Imageamento e Ortoimagem
  • Legislação, Normas e Especificação
  • Licenciamento Ambiental
  • Limites Políticos-Administrativos
  • Localização e Referência Espacial
  • Manancial
  • Mapeamento Básico
  • Monitoramento Ambiental
  • Planejamento Ambiental
  • Relevo / Modelos de Terreno
  • Riscos Naturais
  • Saneamento
  • Socioeconômico
  • Solos
  • Topografia
  • Transportes
  • Unidades de Análise
  • Uso e Cobertura do Solo
  • Vegetação
  • Zoneamento e Ordenamento

LINK: http://datageo.ambiente.sp.gov.br/web/guest/inicio

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 199 outros seguidores